Com apenas 11 entre 594 parlamentares, PSOL e REDE são os partidos preferidos da Rede Globo

O PSOL possui apenas seis cadeiras na Câmara dos Deputados e nenhuma no Senado. É, na realidade, o antepenúltimo menor partido da casa. Abaixo dele está a REDE, que tem apenas quatro cadeiras na Câmara e uma no Senado. No total, somam apenas onze parlamentares em um parlamento que tem 594 cadeiras. Parece pouco, não é? Não para a Rede Globo.

A Globo tem dado um espaço absurdo nos últimos anos em suas matérias e reportagens políticas para estes dois partidos. Alessandro Molon, que é deputado da REDE, é de longe uma das figuras mais queridas da emissora. Logo depois vem Chico Alencar, deputado pelo PSOL, e em seguida o senador Randolfe Rodrigue, senador pela REDE.

Na esmagadora maioria das reportagens os entrevistados são estes, e isso mesmo quando eles não têm grande influência ou poder sobre o assunto. A representatividade destes partidos é tão baixa que quase todos os seus parlamentares assumiram os postos através do coeficiente eleitoral ou, pior ainda, como suplentes. Eles simplesmente não possuem adesão popular, não têm poder ou influência real no parlamento, mas são os mais consultados pelos repórteres globais.

O PSC, atual partido de Jair Bolsonaro – que, aliás, teve quase meio milhão de votos em 2014 – é raramente entrevistado, mesmo tendo um total de dez deputados federais. O próprio deputado Bolsonaro dificilmente tem espaço para opinar ou até para se defender dos ataques que sofre. Isso é injustificável.

Alexandre Garcia fala a verdade que a Globo tenta ocultar a todo custo

O jornalista, apresentador e colunista político Alexandre Garcia é uma das últimas vozes honestas do jornalismo brasileiro e praticamente o único na Rede Globo.

Diferentemente daqueles que tentam espremer a verdade em meio a observações e ressalvas impostas pela linha editorial da emissora, como Miriam Leitão, Alexandre Garcia é claro e cristalino tanto nas críticas quanto nos elogios. Nestes tempos bicudos em que a Globo passou a adotar o terrorismo midiático e a Fake News como principal produto, o jornalista fiel aos fatos corre o risco de ser demitido. Acompanhe abaixo um artigo no qual Alexandre Garcia faz uma análise sobre o êxito do presidente Michel Temer, mesmo sendo alvo predileto dos ataques da Globo e de seus empregados sem reputação..

Neste texto, o jornalista desmente praticamente toda a linha editorial da emissora sobre o governo:

“No princípio era o caos – a frase se aplica ao gênesis do governo Temer. Quando a presidente saiu, deixou inflação acima de 10%, 13 milhões de desempregados, recessão, descrença, falta de disposição de investir, só o agronegócio sustentando o país, com o comércio e a indústria perdendo produção e vendas. E em menos de ano e meio, o Brasil voltou a crescer, faz seis meses que cai o desemprego, aumentou o poder aquisitivo do assalariado, a inflação está em 2,5% ao ano, o superávit comercial vai bater recorde de 70 bilhões de dólares, os índices de confiança do consumidor, do comerciante e do industrial, na Fundação Getúlio Vargas estão em alta, a taxa básica de juros está reduzida a 7,5%, deixando os juros reais em 3% ao ano e, embora com tanta insegurança pública, os investimentos estrangeiros nos últimos 12 meses chegaram a 83 bilhões de dólares.

Meus amigos se perguntam “Que governo é esse?” Eu perguntaria, como Francelino Pereira, que país é este? Paradoxal, pois sempre que a economia vai bem, o governo vai bem na opinião pública. Mas este praticamente, não tem popularidade alguma.

Está com míseros 3% de aprovação – e menos de 3% de inflação e 3% de juros reais. Paradoxal. Ora, dirão que é a administração de Meirelles, o Ministro da Fazenda e de Ilajn Golfeinj, do Banco Central, mais o novo rumo que Pedro Parente dá à maior estatal, a Petrobrás – que já foi antro da bandidagem apurada pela Lava-jato. Mas quem segura essa barra é o Presidente, chefe deles.

Não ter aprovação popular é vantagem, porque faz o que é preciso, sem preocupação de perder o que não tem. O presidente Lula, quando recebeu de seu Ministro da Fazenda Palocci o projeto da necessária reforma da Previdência, em 2006, desistiu por ameaça das centrais sindicais de se mobilizarem contra o governo. Com medo de perder popularidade, Lula desistiu da reforma e o déficit se agravou geometricamente.

O ex-presidente disse agora, em sua campanha para 2018, que Temer gastou 14 bilhões para comprar a derrubada das denúncias de Janot. Boa parte da população acredita nisso, porque não sabe que emendas de parlamentares ao orçamento de 2017 têm que ser liberadas no mesmo ano. Nada que não estivesse no orçamento. A propósito, o Estadão mostra o cálculo do professor da FGV Carlos Pereira sobre os gastos políticos do governo com ministérios para partidos e emendas orçamentárias.

Num índice de zero a 100 de custo da governança, Temer tem 15, Dilma chegou a 88 e Lula a 95. Conhecedor do Legislativo, Temer governa com o Congresso e vem obtendo resultados. Ano que vem, prevê o Banco Mundial, vai aumentar a onda de crescimento que já começou nas economias avançadas e nas emergentes. Isso reforça o impulso brasileiro. A previsão para o Brasil é de, no mínimo, 3% a mais no PIB, ano que vem”.

A Globo se voltou contra os valores sagrados da família com maior vigor, sociedade responde com repúdio

A esquerdização da Rede Globo custou caro à emissora carioca. Após se posicionar favorável aos últimos episódios envolvendo a exposição de crianças a situações limítrofes à pedofilia, o grupo de comunicação se tornou alvo de uma das mais consistentes ondas de repúdio em toda sua história.

A Globo subestimou os valores morais da sociedade, o respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente e acreditou cegamente em seu poder de manipular as massas, como tem feito há décadas, pregando valores que ajudaram a degenerar a família brasileira.

Fingindo não se dar conta da gravidade da situação envolvendo crianças pequenas, os comunicadores da emissora agiram de forma dissimulada, irônica e ainda atacaram um segmento da sociedade altamente influente nas redes sociais.

A Globo não chamou apenas os conservadores de fascistas. Chamou o pedreiro, o motorista, a costureira, o empresário, a dona de casa e qualquer cidadão que preza pela educação de seus filhos e procura mantê-los longe da influência de mentes doentias que encaram com naturalidade quadros com os dizeres “criança viada” ou uma menina de cinco anos interagindo com um marmanjo nu. A receita de gourmetização da pedofilia não agradou o público.

É fato que a Globo nunca primou por enaltecer valores familiares, morais e éticos. Mas ao assumir publicamente a defesa de degenerados que tentam justificar seus atos doentios como formas de manifestação artística e liberdade de expressão, a emissora entrou definitivamente no radar das pessoas como algo potencialmente maléfico.

A emissora e seus empregados se tornaram alvos de uma onda tão avassaladora de revolta a indignação, que dificilmente conseguirá minimizar os efeitos negativos de uma postura tão temerária. Aos olhos de 99% da população, a Globo pecou e feriu de morte os valores mais sagrados.

A Globo troca alhos por bugalhos e quer manipular você

O Fantástico, da TV Globo, promoveu ontem (08/10) um verdadeiro show de horrores envolvendo uma alta produção com belas palavras, chavões e com trilha sonora comovente e envolvente.

A primeira matéria foi uma preparação para a lavagem cerebral. Mais uma vez, ideologia de gênero. Mostram pais que dizem que deixam seu filhos livres para serem o que quiserem, que querem que eles sejam felizes e por isso não definem para eles que existem brinquedos nem modos de agir específicos de meninos ou de meninas, chegando ao ponto de dizer que não se deve elogiar crianças com adjetivos padronizados, pois isso gera um trauma em suas vidas, dando o exemplo do adjetivo “princesa”, que criaria na cabeça da garota a imagem de uma menina loira e delicada. A reportagem mostra meninos se vestindo de meninas e com uma atmosfera alegre e que iludiria qualquer incauto e ignorante. Em determinado momento surge uma “especialista” para falar sobre o tema, adivinhem: diretora do departamento de gênero e feminismo da UFBA.

Após preparar o subconsciente do telespectador, fazendo-o crer num mundo preconceituoso em que se deve abordar gênero e quebrar padrões, veio a segunda reportagem, falando sobre intolerância. Com a abertura mostrando estatísticas de preconceitos como homofobia e até “gordofobia” (sim, chegaram a esse ponto), entram repentinamente no preconceito religioso e colocando de forma canalha imagens de traficantes que supostamente seriam evangélicos destruindo imagens de entidades da umbanda, como se apenas as religiões africanas sofressem discriminação e por cristãos.

Logo em seguida, ingressaram na questão do Queer Museu, aquela exposição grotesca que faz vilipendio a elementos e símbolos do cristianismo, apologia à pedofilia e à zoofilia. Criaram uma narrativa de que não havia crimes nem apologia a esses crimes na exposição, colocando canalhas globais e defensores da “arte moderna” para distorcer tudo que temos presenciado, até falso pastor do PSOL colocaram para falar suas baboseiras distorcidas do cristianismo.

Para concluir, abordaram o caso do manifestação La Bête do MAM/SP, construindo o cenário de que não houve estímulo à pedofilia, fazendo a comparação intelectualmente desonesta e grotesca de que os mais renomados artistas retratavam nudez em seus quadros.

Existe uma grande diferença em representação do nu em obras de arte e naturalizar a nudez, preparando o terreno para a pedofilia. O que acontece se um adulto mostra suas partes íntimas para uma criança? Ela sabe que é errado e conta para seus pais. Desde o momento em que há esse incentivo para dessensibilizar a criança para a nudez adulta, ela não mais verá isso como algo errado, seja num museu, seja no ônibus, seja na escola com professores mal intencionados.

A Globo demorou a falar sobre esses casos grotescos, pois percebeu a reação da população, que é majoritariamente contra a pedofilia, zoofilia e o desrespeito às religiões, mas isso estava sendo uma ameaça a sua agenda globalista e sua instrumentalização para redefinir os conceitos morais da sociedade. Agora ela mostrou sua face e partiu para o ataque. E nós vamos ficar parados? É hora de agir ou daqui a alguns anos estaremos sendo processados por ser contra ideologia de gênero, presos por sermos contra a pedofilia e repreendidos por preconceito com a zoofilia.