Flávio Dino mente, mais uma vez, para atacar Roseana

O governador Flávio Dino (PCdoB) faltou com a verdade ao afirmar que a ex-governadora Roseana Sarney tenha utilizado a morte do ex-prefeito Nenzim de Barra do Corda para atacar o governo.

Não houve oportunismo e muito menos politização do episódio como afirmou Dino. Pelo contrário, foi o próprio governador que tentou mais uma de suas investidas contra um Sarney.

“Sobre homicídio em Barra do Corda, lamento o triste oportunismo que fez uma ex-líder deste Estado e seus asseclas tentarem transformar uma tragédia em ataque a meu governo. Um líder político sério deve deixar a Polícia trabalhar e aguardar com prudência”, escreveu.

Na nota oficial divulgada pela assessoria, a ex-governadora apenas diz esperar que a Justiça seja feita. Nada mais.

“Foi uma tristeza muito grande saber do assassinato do meu sempre amigo Nenzin. Um homem que trabalhou pelo seu povo, se dedicou para melhorar a vida das pessoas, só fez o bem pela sua cidade e sua gente não merecia uma morte trágica e violenta. Espero que a justiça aja com rigor e descubra os culpados. Deus o receberá de braços abertos na sua nova morada e, dará conforto aos seus familiares principalmente a D. Santinha, sua companheira em todos os momentos. Vai com Deus meu fiel companheiro! Saudades”, destacou Roseana.

Em uma outra entrevista concedida ao site da Assembleia Legislativa, Roseana repetiu o tom da sua nota oficial.

“Para mim, particularmente, eu perdi um grande amigo. Seu Nenzim, antes de ser político, ele era um amigo. Sempre estivemos juntos nas campanhas políticas. Nunca me arrependi de tê-lo apoiado, porque sei que ele sempre trabalhou muito em favor do povo barra-cordense. Ele sempre ajudou as pessoas que mais precisavam. Estou aqui, hoje, para homenageá-lo e ajudar a família, neste momento de dor, para o povo de Barra do Corda e todo o Maranhão. Estou triste e muito emocionada. Espero que Deus o receba em sua nova morada e que Deus o acolha e conforte toda sua família. É preciso esclarecer o crime e punir os culpados. Quem quer que seja tem que ser punido. Não se pode tirar a vida de uma pessoa que só fez o bem assim tão brutalmente”, afirmou.

Onde existiu oportunismo nessas duas declarações? E que ataques ao governo foram feitos por Roseana?

Ao que parece Flávio Dino se sentiu mesmo foi incomodado com a presença de Roseana no velório. Mas ela não poderia ir ao velório de um amigo?

Flávio Dino não é nada bobo. Ele sabe que, enquanto um Sarney der ibope e principalmente votos, ele vai tratar de explorar sempre um pouquinho mais o assunto.

Do blog do Zeca Soares

Eficácia do governo Roseana é confirmada em estudo do IBGE publicado pela Folha de São Paulo

A verdade no seu devido lugar. O Jornal Folha de São Paulo publicou, na edição de domingo (03/12), levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que atesta notável conquista do governo de Roseana Sarney. Segundo dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar), no período de 2004 a 2014 o Maranhão foi o Estado que alcançou o maior índice na redução de desigualdades sociais (18.7%).

“Isso comprova que o governo de Roseana Sarney foi eficaz. Mostra que a governadora conseguiu notável desempenho na diminuição da pobreza”, destacou o deputado Hildo Rocha, em pronunciamento na tribuna da Câmara Federal.

É por isso, segundo Hildo Rocha, que o povo clama pela volta de Roseana Sarney. “Antes mesmo desse estudo ficar pronto a população maranhense já sentia a diferença. Agora, que o governo comunista está praticamente no fim, é possível comparar e constatar que em três anos o Maranhão piorou em todos os setores da administração pública”, afirmou Hildo Rocha.

Melhorias e oportunidades

No pronunciamento, Rocha citou algumas realizações marcantes da governadora Roseana Sarney. “Construiu hospitais; implantou programa sociais que renderam excelentes resultados; deu oportunidades para os jovens ingressarem no mercado de trabalho, por meio do Programa Meu Primeiro Emprego; criou o Viva Luz, o Estado pagava energia para famílias de baixa renda”, destacou o parlamentar.

Geração de empregos

Rocha lembrou ainda que Roseana Sarney implantou um inovador programa Maranhão Competitivo e outras iniciativas que contribuíram para atrair investimentos e gerar empregos. “A Suzano, maior indústria de celulose da América Latina, está instalada no Maranhão, na cidade de Imperatriz, graças ao trabalho da governadora Roseana Sarney. A implantação da Suzano deu nova vida à economia de toda a Região Tocantina”, afirmou Hildo Rocha.

Além da Suzano, durante o governo de Roseana Sarney empresas dos ramos de mineração, agropecuária, geração de energia, siderúrgicas e metalurgia, entre outras, se instalaram no Maranhão. “É por isso que pesquisas realizadas por institutos confiáveis indicam que a população quer a volta de Roseana Sarney para governar o Estado. É o reconhecimento pela eficácia, é a verdade ocupando o seu devido lugar nas páginas da história”, concluiu Hildo Rocha.

Cenário de fracasso

Por qualquer aspecto que se analise, a pesquisa do Instituto Vox Populi sobre a corrida eleitoral maranhense – a primeira de uma empresa nacional sobre o próximo pleito – mostra o fracasso retumbante do governo Flávio Dino (PCdoB), prestes a completar o terceiro ano de mandato. Os números revelam que a população maranhense não engoliu, ou decepcionou-se, com o discurso da mudança comunista pregada em 2014.

Dino tem pouco mais de 1/3 do eleitorado maranhenses, o mesmo que a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), fora do poder há quatro anos e só agora anunciada pré- candidata ao governo.

Talvez até por saber os números do Vox Populi – mesmo porque tem institutos trabalhando para si quase que diariamente. – é que Dino começou a multiplicar por mil ações questionáveis e nada republicanas. Nos últimos dias, a tônica de suas ações é marcada por cooptação de partidos e lideranças em troca de cargos, liberação de convênios milionários a prefeituras vinculadas aos partidos de sua base, além do aliciamento claro de emissoras de rádio, jornais, blogs e emissoras de TV no interior.

O Instituto Vox Populi mostra um cenário ainda mais tenebroso para Flávio Dino em São Luís. Na capital, ele tem apenas a terceira colocação entre os candidatos a governador, perdendo para Roseana e para o deputado Eduardo Braide (PMN), que nem definiu se será candidato.

A população maranhense precisa agora ficar alerta com o nível de endividamento do governo, o gasto desordenado de recursos públicos e a compra de votos. Porque, já está claro por suas próprias ações, Dino vai fazer de tudo para se manter encastelado no Palácio dos Leões.

O Estado/Estado Maior

Governo Roseana investiu mais de R$ 2,5 bilhões em obras nos municípios administrados pela oposição

Ao contrário do que vem dizendo o governador Flávio Dino, a ex-governadora Roseana Sarney destinou sim verbas para as prefeituras comandadas por aliados dele

Para rebater as críticas de que os prefeitos e ex-prefeitos aliados de Flávio Dino são/foram fracassos administrativamente, os comunistas vêm culpando a ex-governadora por não liberar verbas para seus oposicionistas. No entanto, convênios foram assinados sim, com todos os prefeitos, incluindo os aliados do atual governador.

Caxias, Imperatriz, Santa Inês, Matões e Timon fazem parte da lista dos municípios maranhenses que fecharam parceria com o Governo do Estado para várias obras tanto em 2013 quanto 2014. Somente a Prefeitura de Imperatriz, administrada na época por Sebastião Madeira, recebeu mais de R$ 4 milhões em repasses voluntários estaduais para áreas da educação, saúde e de mobilidade urbana. Foram quase R$ 2 milhões em 2013 e mais de R$ 2,2 milhões em 2014.

Em Santa Inês, o ex-prefeito Ribamar Alves (PSB) assinou dois convênios com a administração estadual em 2013. Alves, na época, elogiou a parceria com o governo, que garantiu a construção de uma avenida e o recapeamento de ruas, além de sinalizações nas vias.

Parcerias como essas são importantes porque o Município com renda própria não tem condições de fazer. A governadora Roseana Sarney está sensível à situação das cidades do interior do Maranhão abrindo para a realização de parcerias“, afirmou Alves.

Investimentos

Além de firmar convênios para repasses voluntários, o Governo do Estado garantiu obras nas cidades de Timon, Caxias e Matões. Em Caxias foram destinados mais de R$ 200 milhões para a construção de um hospital com 100 leitos, serviço de melhoramento e pavimentação de rodovia MA-349 no trecho que liga Caxias a Aldeias Altas e ainda pavimentação de vias urbanas e construção de escola com seis salas.

Em Timon, que continua comandada por Luciano Leitoa, foi destinada verba para a reforma, adequação e ampliação do Hospital Regional Alarico Nunes Pacheco, pavimentação de vias urbanas e construção, expansão de melhoria do sistema de abastecimento de água, implantação do Distrito Industrial e outros benefícios. Estas são algumas das obras que somam R$ 150 mil.

A cidade de Matões da ex-prefeita Suely Pereira, mãe do deputado federal Rubens Pereira (PCdoB), recebeu verba que somaram mais de R$ 74 milhões para serviço de pavimentação de vias urbanas na sede do município e ainda conservação e manutenção de rodovia MA-026 no trecho que liga Matões a Parnarama.

Em São Luís não foi diferente. O Governo do Estado fez investimentos de mais de R$ 2 bilhões em obras que incluem a recuperação do Sistema Italuís, serviço de videomonitoramento, Via Expressa, Anel Metropolitano, Avenida Quatro Centenário e construção e urbanização do Espigão Costeiro.

Estado também ofereceu parceria para São Luís

A ex-governadora Roseana Sarney no início da administração do prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT), o recebeu para oferecer ajuda do Governo do Estado na área da Saúde, já que os hospitais de urgência e emergência, Socorrão I e II, passavam por dificuldades que incluía até falta de alimentos nas unidades de saúde.

Na ocasião, a parceria oferecida pelo governo estadual (o estado assumiria o Socorrão II para administrar) foi negada pelo prefeito Edivaldo Júnior por questões políticas, já que o PCdoB pressionou o pedetista para que não fosse feita qualquer aproximação com o Governo do Estado.

Posteriormente, o prefeito ligou para a governadora que dias depois retornou e uma nova conversa aconteceu para que fossem finalmente realizadas parcerias entre as duas administrações.

Dessa reunião resultou o acordo de construção de um viaduto na Forquilha. O Governo do Estado deveria entrar com o recurso para realizar a obra e a Prefeitura, com o projeto e verba para indenização para desapropriação de imóveis.

Essa parceria nunca saiu do papel. Além da demora em entregar o projeto, cuja conclusão demorou mais de três meses para ser concluído, a Prefeitura de São Luís nunca disponibilizou a verba para as indenizações, valor de cerca de R$ 30 milhões de reais.

 

 

 

Ministro da Educação participa de entrega do IFMA, iniciado por Roseana, em São José de Ribamar

O ministro da Educação, Mendonça Filho, participou na manhã de ontem da entrega do Instituto Federal do Maranhão (IFMA) de São José de Ribamar.

As instalações começaram a ser construídas durante a gestão da ex-governadora, Roseana Sarney. O ministro destacou que existem várias parcerias entre o Governo Federal e o Estado do Maranhão no sentido de obras que fortalecerão a educação estadual. Entre elas, Mendonça Filho destacou a construção dos institutos e a ampliação das universidades, medida que está sendo estudado pelo ministério.

Mendonça Filho destacou, em sua fala, o início das obras durante a gestão passada no Ministério e no governo do Estado. “Um homem público tem que assumir de quem são os trabalhos. Sei que não foi durante a minha gestão que essa obra foi desenvolvida, mas dei o maior suporte para que ela fosse concluída. E o início foi durante a administração da ex-governadora Roseana Sarney, que deu grande apoio para que essa obra pudesse ser feita em Ribamar, sobretudo uma obra para a educação do Maranhão”, declarou.

As atividades administrativas e pedagógicas já estão sendo realizadas no prédio desde março deste ano. Mesmo antes de funcionar nas instalações próprias, o campus vinha operando em espaços cedidos pela Prefeitura desde 2015.

A cerimônia de ontem oficializou a entrega da sede definitiva, que tem 4.420,99 m² de área construída e dispõe de nove salas de aula, sete laboratórios, sala de multimeios, biblioteca, setor administrativo, lanchonete e área de vivência.

Segundo o reitor do IFMA, Carlos Roberto Brandão, essa será a oportunidade de levar o ensino técnico e superior aos estudantes daquela região. “Essa obra beneficiará não só o município de Ribamar, mas toda a Região Metropolitana de São Luís, que usará deste espaço para desenvolver sua formação e alavancar os índices de desenvolvimento da educação de nosso estado”, afirmou.

A estudante Liliane Matos, de 16 anos, falou sobre a importância do campus para a educação do município. “Esse novo espaço vai ajudar muitas pessoas que precisam estudar, mas moram muito longe dos outros IFMA. Eu estudo aqui e isso ajudou muito minha vida agora é vai ajudar no futuro quando estiver formada”, concluiu.

Sobre o campus

Dimensionado para o atendimento de até 1.200 alunos de forma presencial, as obras de construção do IFMA Campus São José de Ribamar tiveram início desde o dia 24 de outubro de 2013. Nessa mesma data, lideranças políticas e comunitárias, empresários e estudantes das escolas públicas do município participaram da audiência publica que definiu os três eixos tecnológicos trabalhados na unidade: Comunicação e Informação, Processos Industriais e Gestão de Negócios.

O funcionamento do campus foi autorizado pela Portaria nº 1.074, de 30 de dezembro de 2014, publicado no Diário Oficial da União no dia 30 de dezembro de 2014. Desde então, a unidade vem funcionando no sentido de fortalecer o relacionamento com a comunidade local por meio de cursos e projetos de extensão. Os primeiros cursos técnicos regulares foram iniciados em 2015 no âmbito do Pronatec – sob demanda do ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Mctic).

Público de mais de 910 alunos

Prédio atende mais de 910 alunos e oferece mais de cinco cursos técnicos de ensino médio: Administração, Eletroeletrônica, Informática para Internet, Programação de Jogos Digitais e Redes de Computadores. O Campus São José de Ribamar também oferta cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC).

 

Com informação do Jornal O Estado do Maranhão

Cai mais uma mentira comunista – Ministro diz que Roseana não cometeu irregularidade com verba de enchentes

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, emitiu na segunda-feira, 18, um ofício que desmente informação divulgada há uma semana pela imprensa ligada ao governador Flávio Dino (PCdoB) dando conta de suposta auditoria apontando desvios de recursos no governo Roseana Sarney (PMDB).

Segundo o documento, o processo que culminou com a liberação de verbas de R$ 35 milhões para execução de obras e ações emergenciais no Maranhão, no ano de 2009, após enchentes que atingiram 68 municípios, nunca passou por qualquer auditoria da pasta.

“Esclareço não ter sido o referido processo objeto de auditoria, nem constatar qualquer irregularidade a pessoa de Vossa Senhoria quando no exercício do cargo de Governadora do Estado do Maranhão”, diz Barbalho, que assinou o ofício.

A informação oficial do Ministério da Integração Nacional encerra uma suspeita levantada pela mídia ligada ao Palácio dos Leões e endossada pelo próprio Flávio Dino: a de que Roseana teria atuado para desviar recursos do governo federal enviados ao Maranhão durante as graves enchentes de 2009.

Diante da ampla divulgação das supostas irregularidades, o governador chegou a recorrer à redes sociais, em sua página pessoal, para condenar a adversária. No dia 10 de setembro, após as primeiras publicações acusando Roseana, Dino foi à internet manifestar-se sobre o assunto.

“Registro minha indignação com aqueles que no Maranhão tiveram a coragem de roubar dinheiro destinado a vítimas de enchentes. Repugnante. Infelizmente não devemos nos surpreender com o que essa gente é capaz. Mas até dinheiro de vítimas de enchentes é realmente abjeto”, disse, numa espécie de endosso das falsas denúncias.

Ligações

A denúncia dos governistas foi vista por membros do PMDB como parte de um enredo para tentar ligar o nome da a ex-governadora Roseana Sarney ao de Geddel Vieira Lima, que foi novamente preso há duas semanas.

As suspeitas dos peemedebistas assentam-se no fato de que as notícias sobre o suposto desvio de recursos do Ministério da Integração Nacional – que em 2009 era comandado por Geddel – começaram a ser publicadas e replicadas pelos comunistas apenas após dias após a apreensão de R$ 51 milhões em dinheiro vivo que haviam sido escondidos pelo ex-ministro em um apartamento no centro de Salvador (BA).

De posse do documento que a isenta de qualquer irregularidade no caso, Roseana Sarney deve agora buscar reparação pelos danos sofridos nos últimos dias.

Com informação de O Estado/Gilberto Léda

Roseana lidera as intenções de voto num colégio eleitoral maior do que onde Flávio Dino tem a preferência

A pesquisa divulgada pelo Instituto Perfil nesta quinta-feira (20) sobre as intenções de voto para o Governo do Maranhão em 2018 mostra que a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) ganharia do governador Flávio Dino (PCdoB) num colégio eleitoral maior do que onde perderia, apesar de o número de municípios onde estaria liderando ser menor.

De acordo com o instituto, que fez a pesquisa em dez dos maiores colégios eleitorais do estado, Roseana venceria, se a eleição fosse hoje em quatro municípios: Açailândia, Imperatriz, Paço do Lumiar e São José de Ribamar, que juntos têm 369.388 eleitores, enquanto Flávio Dino estaria na frente em Bacabal, Caxias, Codó, Pinheiro e Timon, que totalizam 364.245 eleitores.

Em São Luís, cujo eleitorado é de 659.779, a liderança seria do deputado Eduardo Braide (PMN), que teria 20,8% das intenções de voto contra 20,5% do governador e 17,4% de Roseana Sarney. Como a margem de erro é de 4,5 pontos para mais ou para menos, isto significa dizer que os três estão tecnicamente empatados na capital.

Na pesquisa como um todo verifica-se um empate também entre Roseana e Flávio Dino, pois ela teria nos dez municípios 23,7% e ele, 25,7%. O deputado Eduardo Braide aparece com 15,1%. Pela margem de erro, Roseana teria de 19,2% a 28,2% e Flávio Dino, de 21,2% a 30,2%.

 

Do blog do Aquiles Emir

Roseana – Nome de peso

Roseana prefere manter o silêncio em relação a 2018

A ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) mantém o cacife de ser a principal adversária do governador Flávio Dino (PCdoB) em uma eventual disputa em 2018. Apesar de não se anunciar candidata, cada notícia envolvendo a peemedebista gera uma avalanche de informações e contrainformações, sobretudo na mídia alinhada ao próprio governo comunista.

Até o momento, a declaração mais contundente de Roseana em relação ao pleito foi dada no fim de maio, durante o pré-lançamento da candidatura do ministro Sarney Filho (PV) ao Senado. Perguntada sobre o projeto para 2018, ela respondeu que só seria candidata ao governo, descartando qualquer outra disputa. “Serei candidata ao governo ou a nada”, disse ela.

Mesmo assim, nenhum outro pretenso adversário de Flávio Dino consegue mobilizar a mídia com declarações, ações ou aparições, seja em São Luís ou no interior. E há pelo menos outros dois nomes já mobilizados para a disputa: a ex-prefeita Maura Jorge (PTN), declaradamente candidata, e o senador Roberto Rocha (PSB), que agora diz não ter agenda de campanha, mas de ações do seu mandato no Senado.

A simples menção de Roseana em um artigo do ex-deputado Joaquim Haickel, publicado em O Estado, movimentou o fim de semana com especulações e mais especulações em torno da disputa.

Mas Roseana prefere manter o silêncio em relação a 2018, apenas com aparições pontuais, movimentações políticas e declarações enigmáticas. E assim deve seguir, pelo menos até o início do ano que vem.

Coluna Estado Maior

O fator Roseana

Por Joaquim Haickel – 

Um ex-prefeito, intimamente ligado ao governador Flávio Dino, ao encontrar-se comigo no restaurante preferido dos políticos, em São Luís, colocou a mão no meu ombro, puxou-me para o lado, afastando-me dos demais, e me perguntou meio que sorrateiramente se eu acredito que Roseana será candidata a governadora do Maranhão na eleição de 2018.

Vi em seus olhos a chama de uma curiosidade honesta. Curiosidade que se justifica plenamente, uma vez que informação é um capital importantíssimo, ainda mais em tempos toscos como esses pelos quais estamos passando.

O erro dele foi imaginar que eu pudesse realmente saber a verdadeira intenção de Roseana no que diz respeito a seu destino político e eleitoral. Ele, bem como outros, nem imaginam que eu devo ser a pessoa menos qualificada para prestar um depoimento confiável, pelo menos do ponto de vista da pessoa em questão. Eu só sei o que eu faria no lugar dela!

O motivo daquela pergunta se deve ao fato de que o quadro político-eleitoral maranhense será um com Roseana disputando a eleição e outro completamente diferente sem ela na disputa. Todo mundo sabe, inclusive os correligionários de Flávio Dino, que caso Roseana seja candidata, muita gente ficará com os “passes” supervalorizados!

Acredito que faz muito tempo que Roseana não se sente tão feliz! Na verdade não lembro quando ela tenha sido assim tão paparicada por políticos e pelo povo em geral, exatamente para ser candidata!

Lembro-me de alguns momentos de gloria pelos quais ela passou: Quando seu pai era presidente da República; Quando ela encabeçava um grupo de deputados favoráveis ao impeachment de Collor; durante seu primeiro mandato como governadora; e quando, mesmo doente, venceu uma eleição sem sair da cama do hospital.

Fora esses momentos, apenas este agora, quando ela é conclamada a ser candidata ao governo do Maranhão, como sendo a única pessoa capaz de enfrentar Flávio Dino com chance de vencer, pode ser inscrito em sua biografia como momentos de verdadeira felicidade e grande contentamento.

Apenas em horas como estas é que o político se sente realmente realizado. Quando seus correligionários imploram para que ele entre numa disputa, quando o povo diz que ele é a única opção a se contrapor ao status quo, quando até seus ocasionais adversários gostariam que ele se candidatasse, pois assim eles seriam mais valorizados pelo poder dominante.

É!… Tenho certeza que Roseana está muito feliz com todas essas manifestações de apoio e solidariedade, e com a grande quantidade de apelos que ela tem recebido para se candidatar ao governo em 2018.

É aí que começo a pensar e me pergunto. Por que será que Roseana não foi candidata a senadora em 2014? Se tivesse sido teria ganhado, mesmo que com certa dificuldade. Seria a primeira vez no Maranhão que uma chapa majoritária elegeria o governador e a outra o senador. Teria feito história e teria estabelecido claramente que aquele pleito não foi hegemônico.

Se ela se afastou da política eleitoral em 2014, quando todos precisavam tanto dela, por que voltar agora, em uma situação desfavorável? Parece incoerente!…

Talvez o meu raciocínio extremamente pragmático não consiga ver o que há por trás de toda essa história. Talvez eu entenda menos de política que eu e algumas pessoas imaginamos. Ou talvez eu esteja certo e Roseana realmente não será candidata a governadora.

Caso realmente ela não venha a ser candidata, o pleito será gélido, a vitória do atual governador será certa, os correligionários dele valerão menos que seus opositores, exatamente como ocorria quando o grupo Sarney mandava no Maranhão.

Caso ela seja candidata, o cenário ficará bastante movimentado. O seu grupo poderá garantir a eleição de um senador, suas bancadas estadual e federal se fortalecerão para a disputa e até os adversários de seus aliados, nos municípios, ficarão mais valorizados pelo atual governo, que como os governos de antes, relega os políticos a um terceiro plano.

Só Flavio Dino tem algo a perder se Roseana for candidata ao governo em 2018.