Reitor e a vice-reitora de Universidade Federal são levados pela PF por desvio de verbas

Jaime Arturo Ramirez e Sandra Goulart Almeida, foram conduzidos coercitivamente pela PF

O aparelhamento ideológico das universidades brasileiras produz mais um triste episódio de corrupção. O reitor e a vice-reitora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Jaime Arturo Ramirez e Sandra Goulart Almeida, foram conduzidos coercitivamente, na manhã desta quarta-feira (6), para a sede da Polícia Federal (PF) em Belo Horizonte, Minas Gerais. Os dois foram levados no âmbito da operação Esperança Equilibrista, que investiga desvios da ordem de R$ 4 milhões nas obras do Museu de Anistia Política.

Além do reitor e da vice-reitora da UFMG, outras seis pessoas foram alvo de condução coercitiva, entre elas o presidente da Fundação de Desenvolvimento e Pesquisa (Fundep), Alfredo Gontijo de Oliveira e o ex-presidente da fundação José Nagib Cotrim. Também foram alvos Ronaldo Pena (ex-reitor), Clélio Campolina (ex-reitor), Rocksane de Carvalho Norton (ex-vice reitora) e Heloisa Gurgel Starling (ex-vice reitora).

Ao todo participam da ação 84 policiais federais, 15 Auditores da Controladoria Geral da União (CGU) e dois do Tribunal de Contas da União (TCU). Desde o início das investigações, a ação conta com o apoio da CGU e do TCU.

Segundo PF apurou no inquérito até o momento, teriam sido gastos mais de R$ 19 milhões na construção e pesquisas de conteúdo para a exposição. Porém, o único produto aparente da obra é um dos prédios anexos, ainda inacabado. O projeto do Memorial tem como objetivo a preservação e a difusão da memória política durante o regime militar.

A Polícia Federal informa que o montante desviado pelo esquema fraudulento deve aumentar até a conclusão do inquérito, após as análises dos materiais apreendidos e interrogatórios dos envolvidos.

CUT repudia ação da Policia Federal

A presidente da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT-MG), Beatriz Cerqueira, avaliou que a ação da PF na

UFMG teve um caráter político contra a instituição. Ao lado de representantes do Sindicato dos Servidores da UFMG e de professores da universidade, a sindicalista concedeu entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. “Em meio a um show midiático as pessoas foram conduzidas sem ao menos informar o motivo da condução. Eles não puderam nem chamar advogados para acompanhar tudo”, disse Beatriz.

Os envolvidos no esquema já haviam sido convidados a prestar esclarecimentos à Polícia Federal, mas se recusaram a atender o convite.

 

Com informação do Jornal Hoje em Dia/Ilustração Imprensaviva