Polícia de Flávio Dino espiona lideranças da oposição que podem ‘causar embaraços nas eleições’

 

O Estadão – 

A Polícia do governo Flávio Dino (PC do B) – candidato à reeleição no Maranhão – emitiu nesta quinta-feira, 19, ordem expressa aos batalhões militares para monitorar opositores políticos durante as eleições de 2018.

Documento da Secretaria de Segurança Pública maranhense determina identificação de políticos opositores ‘ao município’ ou ao ‘Estado’ que possam ‘causar embaraços no pleito eleitoral’ e ainda manda transferir policiais envolvidos com política.

A ordem foi emitida pelo Comando de Policiamento do Interior (CPI) aos Batalhões da Polícia Militar e pede um ‘levantamento eleitoral’ das forças de segurança do Estado.

Na Assembleia Legislativa, opositores a Dino reagiram com veemência à ofensiva da polícia. “Isso é uma Venezuela, uma Coréia do Norte no Maranhão”, afirmou o deputado Souza Neto (PRP).

Segundo o documento, ‘os comandantes das UPM’s deverão informar as lideranças que fazem oposição ao governo local (ex-prefeito, ex-deputado, ex-vereador) ou ao governo do Estado, em cada cidade, que podem causar embaraços no pleito eleitoral’.

No ‘levantamento eleitoral’ exigido pelo Comando a todas as unidades, há uma tabela com quesitos que devem ser preenchidos, como os nomes dos juízes eleitorais de cada comarca, locais de votação, atuais prefeitos e o delegado regional.

No mesmo documento, em uma ala de ‘informações complementares’, constam outros quesitos, como aquele em que devem ser identificados os opositores, e ainda outro. “Os comandantes da área deverão informar se existem policiais militares envolvidos com políticas, para que no período eleitoral sejam deslocados para outras cidades, a fim de evitarem transtornos no período eleitoral.”

COM A PALAVRA, O COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO MARANHÃO, JORGE LUONGO

A Polícia Militar do Maranhão vem a público esclarecer que o documento que circula nas redes sociais onde supostamente se determina às Unidades do Interior que identifiquem lideranças antagônicas ao Governo Local e Estadual é um equívoco grave e sem precedentes, não autorizado pelo Comando da Instituição Policial Militar, que na sua gênese procurava tão somente catalogar dados informativos e estatísticos que subsidiassem um banco de dados para a elaboração do planejamento do policiamento das eleições 2018.

Informa que logo que este equívoco foi identificado, tomou medidas imediatas para corrigir tal erro e tornar sem efeito tais medidas, assim como instaurou um procedimento de apuração legal para as devidas providencias que o caso requer.

Coronel PM Jorge Luongo – Comandante geral da Polícia Militar do Maranhão

Advogado apresenta nova denúncia contra Duarte Júnior por abuso de poder político

Mais uma denúncia foi feita a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) contra o ex-diretor do Procon, Duarte Júnior (PCdoB), que é pré-candidato a deputado estadual. A notícia acerca de fatos foi apresentado pelo advogado Thiago Brhanner que alega abuso de poder político e promoção pessoal cometidos pelo comunista.

De acordo com a representação, Duarte Júnior, que ministrava a disciplina de Direito Constitucional em uma universidade particular de São Luís, teria usado seus alunos para sua promoção pessoal por meio do projeto Jovem Cidadão, criado para garantir acesso a jovens da periferia o direito de retirar documentos.

De acordo com um dos alunos do ex-diretor do Procon, João Batista dos Santos Filho, que é citado na notícia de fato de Thiago Brhanner, o professor Duarte Júnior duas semanas antes de deixar o cargo que ocupava no governo de Flávio Dino, montou equipes com alunos de sua disciplina, cujo objetivo era recrutar pessoas em periferias de São Luís para que fossem retirar CPF, RG e título de eleitor em um shopping da cidade e no fim, as pessoas levadas para tirar documentos teriam direito a assistir a um filme no cinema no shopping.

“Eu não fui porque tenho 44 anos e como uma pessoa mais experiente percebi quais eram os objetivos deste professor. Só queria se promover porque não há nada na ementa da disciplina que justifique este tipo de atividade”, afirmou a O Estado o aluno.

Na denúncia também constam conversas de grupo de Whatsapp, nas quais os alunos reclamam da ação e afirmam que somente participaram porque valia ponto na disciplina.

Também conta na representação feita a PRE, que foram disponibilizados ônibus para levar os moradores das comunidades, que após retirar somente título de eleito – já que o sistema para retirar demais documentos estavam fora do ar – Duarte Júnior foi pessoalmente a ação do projeto jovem Cidadão feita pelos universitários.

Brhanner pede que a procuradoria eleitoral investigue a denúncia e aplique as sanções ao ex-diretor do Procon.

Outras denúncias – Além deste fato que motivou a notícia de fato de Thiago Brhanner, o aluno João Batista informou que as consequências desta atividade extra classe – que não teve conhecimento da direção da universidade – foi que a turma exigiu que Duarte Júnior fosse retirado da disciplina.

“Foi feita uma reclamação ao coordenador do curso, coronel Sílvio, sobre esta atitude e outras como o fato de não ministrar a aula com o conteúdo da disciplina e somente falar das ações dele no Procon deste professor, que acabou sendo retirado da nossa turma e substituído pela professora Rosélia Araújo”, disse João Batista.

Duarte Júnior nega acusações e se diz perseguido

O Estado entrou em contato com o pré-candidato a deputado estadual que alegou sofrer perseguição por parte do advogado Thiago Brhanner. Segundo Duarte Júnior, esta é a quarta vez que Brhanner o aciona na Justiça.

Sobre a atividade com os alunos de Direito Constitucional, o comunista afirmou que fez uma atividade para aliar a teoria vista em sala de aula com a prática. De acordo com ele, o objetivo era mostrar aos alunos a aplicação dos direitos fundamentais dos cidadãos.

“Sempre fiz este tipo de atividade com meus alunos. Mostrar na prática aos alunos o que aprendem na teoria em sala de aula. Neste caso, o projeto Jovem Cidadão – feito em parceria com o Tribunal Regional Eleitoral e que já existe há três anos – os alunos puderam acompanhar o direito do cidadão previsto no artigo 1º da Constituição”, afirmou Duarte Júnior.

O ex-auxiliar de Flávio Dino afirmou ainda que não houve qualquer sansão para os alunos que não participaram ou benefício em notas os universitários que fizeram parte do projeto. Esta afirmação de Duarte Júnior vai de encontro com o que disse um dos alunos em conversas pelo Whatsapp e que constam na denúncia de Brhanner.

Com informação do Jornal O Estado do Maranhão

[Flávio Dino] Traidor -mor

Chegou à mídia nacional a imagem de traidor que o governador Flávio Dino (PCdoB) passou a ter após usar de forma descarada aliados políticos e, depois, jogá-los à própria sorte quando já não servem mais aos seus interesses.

Também, pudera. A lista só cresce: desde Jackson Lago, passando por Edison Vidigal, Roberto Rocha, o ex-prefeito Sebastião Madeira, o deputado Eduardo Braide, a ex-prefeita Maura Jorge, até chegar em José Reinaldo Tavares e, agora, o deputado federal Waldir Maranhão, que deu a dimensão exata do tamanho da traição dinista.

Waldir Maranhão expôs-se ao ridículo na mídia nacional, em 2016, ao tentar, inclusive, anular o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), após pressão de Dino. Em troca, o comunista garantiria ao aliado a candidatura a senador em sua chapa. Waldir acreditou nisso, e passou dois anos com essa esperança, enquanto o próprio Flávio Dino minava suas pretensões, manipulando o PT e fechando as portas do governo.

Foi assim também com José Reinaldo, com Roberto Rocha, com Sebastião Madeira, com Jackson Lago. Todos foram usados, em um momento ou outro, pelas pretensões de poder de Dino. E descartados assim que chegava o momento de o governador retribuir ao favor. E com esse abandono dos aliados, o comunista vai construindo a sua imagem de traidor-mor do Maranhão. Agora, em âmbito nacional.

 

O Estado/Estado Maior

DEM do Maranhão e seus negócios políticos

É um escândalo, sob qualquer aspecto, a relação criada pelo governador Flávio Dino (PCdoB) com os dirigentes do partido Democratas no Maranhão. De uma hora para outra, empresas vinculadas à família do deputado federal Juscelino Filho e de sua mulher passaram a receber contratos milionários na Secretaria de Saúde, tanto no governo Dino quanto na Prefeitura de São Luís, do seu aliado Edivaldo Júnior (PDT).

O que pode caracterizar crime de compra de apoio político é o fato de que esses contratos começaram a prosperar no governo Dino exatamente depois que o DEM passou a compor sua base de apoio político e eleitoral.

São pelo menos duas empresas – a DIO Diagnóstico e Oftalmologia LTDA. E a CADI-Centro Avançado de Diagnóstico por Imagem – que já receberam milhões do governo Flávio Dino só agora em 2018, notadamente no período em que o debate sobre o destino do DEM estava intenso entre Juscelino Filho e seu colega, o ex-governador José Reinaldo Tavares.

Além do governo, essas empresas têm contratos com as prefeituras de São Luís, Raposa, Santa Inês, Vitorino Freire , Balsas, Pinheiro e várias outras prefeituras, administradas por aliados diretos de Flávio Dino ou familiares de Juscelino.

Os negócios de Dino com o DEM começaram a ser investigados pela oposição; e devem se transformar em representações que desembarcarão na Justiça Eleitoral, na Polícia Federal e no Ministério Público Federal.

O Estado do Maranhão/Estado Maior

Confirmado, Zé Reinaldo concorrerá ao senado pelo PSDB

Com o respeito e a cordialidade que sempre mantive com a imprensa maranhense e por entender que o compromisso fundamental dos comunicadores profissionais é com a responsabilidade na divulgação da verdade dos fatos, acima de especulações, faço os esclarecimentos que seguem.

Tenho uma antiga e sólida ligação com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Fomos colegas na Câmara dos Deputados, fomos vice-governadores e, em seguida, governadores de nossos estados, na mesma época. Possuo muito respeito pelo homem e pelo político Alckmin. Conservo também uma amizade muito antiga e forte com o coordenador da campanha do governador Alckmin à Presidência, senador Tasso Jereissati, pois vivemos juntos grandes episódios da história política brasileira e isso permitiu que, por diversas vezes, conversássemos sobre o Maranhão.

Na última terça-feira (20), encontrei com o governador Alckmin, na posse da deputada Tereza Cristina, minha amiga do PSB, agora no DEM, na Frente Parlamentar em Defesa da Agricultura. Ele me viu e veio falar comigo sobre o Maranhão e eu disse que estou sempre pronto a ajudá-lo. Na terça feira à noite, recebi uma ligação do governador me convidando para ir a São Paulo conversarmos, convite que eu prontamente atendi na quarta-feira passada (21).

Tivemos um longo e produtivo diálogo. Ao final, o governador informou que iria ouvir o senador Roberto Rocha, presidente do partido no Maranhão sobre o que discutimos. Ontem (30), sexta-feira, logo cedo pela manhã, ele me ligou para dizer que tinha conversado com Roberto Rocha que, por sua vez, teceu elogios à minha pessoa, o qual agradeço agora, publicamente. Roberto afirmou que não havia impedimento da parte dele para que esse entendimento pudesse se concretizar.

Com essa compreensão, esclareço o que ficou decidido: o governador Alckmin terá, como em São Paulo, dois palanques no Maranhão, um, do seu partido, o PSDB, que terá como candidato a governador Roberto Rocha e o palanque de Eduardo Braide, futuro candidato ao Governo do Maranhão, também com o apoio de Alckmin.

Eu, portanto, me filiarei ao PSDB, serei candidato ao Senado e apoiarei Alckmin nos dois palanques. Além do apoio que recebi do governador paulista, discutimos muito a sua campanha no Estado e fiz um acordo com ele. Se eleito presidente do Brasil, Geraldo Alckmin apoiará os projetos estruturantes do Maranhão, bem como viabilizará o programa proposto pelo Nobel de Economia, James Heckman, a ser transformado em projeto social por mim e outros, com objetivo de diminuir a desigualdade e a pobreza, preparando melhor as novas gerações de maranhenses.

Consegui ainda o compromisso de Alckmin com a nossa refinaria e com o polo petroquímico, que trará milhares de empregos e empresas para o Maranhão. Firmamos compromisso também com o Centro Espacial Brasileiro de Alcântara, com o Programa Espacial Brasileiro, com o apoio à vinda de um parque industrial da indústria espacial e com o Fundo de Desenvolvimento das Comunidades Quilombolas de Alcântara, que estou propondo.

O governador prometeu uma Cooperativa de Microcrédito para homens e mulheres pobres poderem ter acesso a dinheiro barato e, assim, abrirem seus pequenos negócios, além de apoio técnico de São Paulo para qualificar professores, capacitar trabalhadores maranhenses para o trabalho, apoio firme para o nosso Sistema de Saúde e da nossa Segurança.

Desta forma, meus amigos, entraremos firmes na campanha, não apenas a eleitoral, mas na mais importante de todas, a de combater as causas ainda intocadas da pobreza em nosso Estado – a minha maior aspiração como homem público. Vamos juntos colocar o Maranhão em novo patamar de desenvolvimento.

Com minhas cordiais saudações,
José Reinaldo Tavares
Deputado Federal

Flávio Dino vai perder…

O deputado federal Zé Reinaldo voltou a se manifestar sobre o rompimento político com o governador Flávio Dino (PCdoB). A saída do ex-governador da base aliada ao Palácio dos Leões completou um mês no fim de semana.

E se ainda havia comunistas com esperanças de uma reaproximação, elas acabaram de se dissipar. Em entrevista a um programa de TV em Imperatriz, ele riu quando perguntado se “criou uma cobra para lhe morder” e avaliou a gestão do, agora, ex-aliado comunista.

“A nota dele é muito ruim”, disse o parlamentar, referindo-se ao conceito que tem da administração de Flávio Dino.

Sobre o futuro das eleições, Zé Reinaldo foi taxativo: “Eu acho que ele [Flávio Dino] vai perder”, declarou.

A entrevista vai ao ar nesta segunda-feira e, é claro, já começou a ser alvo da patrulha ligada a Dino.

 

O Estado/Coluna Estado Maior

Por todos os lados

Absoluto, autoritário, incapaz de observar além do próprio umbigo, o governador Flávio Dino tem vivido nesses últimos dias o resultado de sua capacidade de afastar pessoas e de dificultar a própria experiência no poder. Os movimentos que a oposição maranhense tem tomado nos últimos dias põem claramente em risco o mandato comunista iniciado em 2014.

Um desses últimos gestos foi a conversa da ex-prefeita Maura Jorge (Podemos) com o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), que deve disputar a eleição presidencial.

Bolsonaro é um dos mais revoltosos anticomunistas no Brasil. Seus posicionamentos políticos e sociais são a antítese do que prega, por exemplo, Flávio Dino. Polêmico, o deputado faz questão de confrontar suas ideias com a do comunista. E está pronto para combatê-lo na campanha.

Mas não é apenas Maura Jorge. Flávio Dino terá também que conviver a campanha inteira com a comparação do seu governo com o da ex-governadora Roseana Sarney (MDB). E neste quesito o comunista perde feio em todos os aspectos. E tudo isso será mostrado no horário eleitoral.

Sem falar na presença do senador Roberto Rocha (PSDB), do ex-governador José Reinaldo Tavares (sem partido), e do deputado Eduardo Braide (PMN), todos vítimas do desdém de Flávio Dino. E é com todas essas nuances da campanha que o comunista será obrigado a conviver até outubro.

Jornal O Estado/Coluna Estado Maior

Roseana mostra entusiasmo após primeira caravana pré-eleitoral

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) demonstrou à coluna Estado Maior (Jornal O Estado do Maranhão), forte entusiasmo com o resultado da caravana pré-eleitoral, que percorreu dos dias 8 a 16 deste mês, 31 municípios no interior do estado.

A pré-candidata ao Governo do Maranhão planeja encontro com lideranças de mais 50 municípios, numa segunda etapa da caravana. “Fiquei extremamente satisfeita em ver a manifestação de carinho do eleitor, com abraços efusivos e declarações de saudades de como vivia até quatro anos atrás”, declarou.

Na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Edilázio Júnior (PV) também destacou a caravana pré-eleitoral de Roseana.

Ele falou da participação expressiva de lideranças políticas, prefeitos, ex-prefeitos, vereadores e presidentes de partidos e deu ênfase à presença de admiradores da ex-governadora. “A caravana começou no município de Santa Inês, no Dia Internacional da Mulher e findou em Peritoró, no dia 16 de março. Foi uma surpresa muito positiva a receptividade dos maranhenses junto à ex-governadora Roseana. Por onde passamos, em 31 municípios, todos os municípios externaram a saudade da governadora Roseana, o que acabou trazendo a motivação de volta a esse grupo político”, disse.

Além de destacar a participação espontânea da população durante os eventos, Edilázio falou do desgaste da administração Flávio Dino (PCdoB). “Pudemos observar, por exemplo, no município de Riachão, quando o presidente do PCdoB externou que estaria ao lado da governadora Roseana. Ele que votou no governador Flávio Dino em 2006, já na campanha para deputado federal, mas disse que só agora realmente conheceu o comunista que aí está. Da mesma forma, no município de Fortaleza dos Nogueiras, onde um vereador, também do PCdoB, externou apoio à ex-governadora Roseana nessa pré-campanha. O Maranhão não quer mais Flávio Dino”, finalizou.

 

Por Ronaldo Rocha/O Estado do Maranhão

Força extra à Oposição

Se esperava enfrentar uma oposição desorganizada, desmotivada nas eleições de outubro, o governador Flávio Dino (PCdoB) não tinha noção do estrago que poderia causar o afastamento de seu principal tutor e criador, o ex­-governador José Reinaldo Tavares (sem partido). Independentemente da posição que Tavares vier a adotar na eleição, seu gesto desponta como uma espécie de exortação à força dos que enfrentarão o comunista nas urnas em outubro.

Desde o anúncio do rompimento do ex­-governador, lideranças de oposição passaram a conversar entre si, reunir­-se em articulações mil e a projetar cenários capazes de vislumbrar uma vitória contra o atual ocupante do Palácio dos Leões.

E nem mesmo um recuo de José Reinaldo ­ há quem ainda alimente esta hipótese ­ será capaz de amenizar os estragos causados na seara comunista, que resultaram em um “deus nos acuda” desde que a mídia anunciou seu afastamento.

Flávio Dino enfrentaria a ex­-governadora Roseana Sarney (MDB), o senador Roberto Rocha (PSDB), os ex-­deputados Maura Jorge (Pode) e Ricardo Murad (PRP), além de, provavelmente, o deputado Eduardo Braide (PMN), com cada um buscando ocupar seus espaços de forma isolada. Agora, todos têm a mesma percepção da fragilização comunista neste atual momento.

E vão para a disputa com gás renovado, cada um em sua faixa de atuação eleitoral.

 

O Estado/Estado Maior

Flávio Dino, uma imagem de milhões

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), elevou à máxima potência, nos últimos três anos, a preocupação com sua imagem no cenário eleitoral. E, na mesma medida, levou às alturas o gasto público com esse tipo de serviço.

Só em 2017, por exemplo, a Informe Comunicação Integrada recebeu R$ 5,5 milhões do Governo do Maranhão apenas para cuidar que a imagem do comunista fosse a melhor possível na mídia nacional.Os dados são do Portal da Transparência.

A empresa pertence a Rebeca Scatrut, esposa do jornalista Ricardo Noblat, e mantém contrato com o Executivo desde 2015, quando participou sozinha de um processo licitatório.

Desde então, mantém-se por meio de aditivos. No total, durante esses três anos, os gastos com assessoria e imagem do governador já chegam à casa dos R$ 11,32 milhões – somas nunca antes registradas no Maranhão.

Desde que assumiu o comando do Executivo, Dino pagou R$ 1,01 milhão em 2015; R$ 4,72 milhões em 2016; e os R$ 5,59 milhões de 2017.

E como 2018 é ano de eleição…

 

Estado Maior/O Estado