Josimar de Maranhãozinho pode ficar inelegível até 2020

O deputado estadual Josimar de Maranhãozinho (PR), o mais votado nas últimas eleições, mas que vai fazendo um mandato pífio na Assembleia Legislativa, segue com problemas junto a Justiça Eleitoral.

No mês de junho, o deputado federal Aluísio Mendes (Podemos) deu entrada em notícia-crime no Ministério Público Eleitoral visando à instauração de investigação federal contra o deputado Josimar de Maranhãozinho por falsificação de diploma escolar apresentado à Justiça Eleitoral para registro de candidatura nas eleições de 2014.

Porém, esse não deve ser o único problema de Josimar na Justiça Eleitoral. O vice-procurador-geral-eleitoral substituto, Francisco de Assis, já pediu ao ministro Luiz Fux, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que o deputado estadual seja novamente submetido a julgamento do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão, por corrupção eleitoral.

O parlamentar está sendo acusado de compra de votos nas eleições de 2012, quando era prefeito de Maranhãozinho e ajudou a eleger o prefeito José Auricélio de Moraes Leandro e o vice dele, Raimundo Tarcísio de Lima. Os três chegaram a ser condenados pela juíza Cynara Elisa Gama Freire, da 101ª Zona Eleitoral, de Governador Nunes Freire, em julho de 2015, e estariam tecnicamente inelegíveis até 2020.

Só que Josimar de Maranhãozinho recorreu ao TRE-MA e conseguiu a anulação das provas. Agora, o Ministério Público Eleitoral solicitou um novo julgamento rechaçando os argumentos apresentados pelo deputado ao TRE.

Sendo assim, antes mesmo de se preocupar com as eleições de 2018, quando tentará se eleger deputado federal, mesmo tendo sido um deputado estadual com fraca atuação, Josimar precisará se livrar dos problemas junto a Justiça Eleitoral.