Vergonha nacional

Já exposto ao ridículo em âmbito nacional com temas como o “aluguel camarada”, o abandono das estradas maranhenses e as condições da saúde pública no estado, o governador comunista Flávio Dino (PCdoB) passou nova vergonha em rede nacional de TV, ontem, no quadro “O Brasil que eu Quero”, da Rede Globo de televisão.

Um morador de Cajari posou para o quadro em frente a um dos hospitais entregues prontos a Flávio Dino pelo governo anterior. E revelou que o hospital nunca funcionou no governo comunista. “Está se acabando”, revelou o corajoso cajariense.

Nessas horas, como sempre faz quando exposto em rede nacional, Flávio Dino se diz vítima da “imprensa golpista”, faz pregações contra a Rede Globo e ataca os adversários sociais.

Mas não é a mesma atitude que toma quando essa mesma “imprensa golpista” exibe seus devaneios políticos sobre o ex-presidente Lula, sobre o Judiciário e sobre declarações de adversários políticos. Nessas horas, Dino sai todo serelepe pelas redes, anunciando aos quatro cantos que foi notícia “no Jornal Nacional, no Jornal Hoje, no Bom Dia Brasil, no Jornal da Globo”. E em momento algum lembra de dizer que esses são programas daquela que ele chama de “mídia golpista”.

 

O Estado/Estado Maior

Após duas oitivas, PGR pede soltura dos detidos na investigação contra Temer

Após duas oitivas dos detidos no curso da  Operação Skala, que investiga supostas irregularidades envolvendo o presidente Michel Temer, a Procuradoria Geral da República solicitou neste sábado (31) ao ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), a revogação das prisões da Operação Skala, de todos os 13 detidos ao longo da última semana. O ministro Luís Roberto Barroso atendeu a pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge e mandou soltar todos os detidos.

Todos os detidos foram ouvidos duas vezes. A primeira, ainda na quinta-feira, pela Polícia Federal. Os detidos foram ouvidos uma segunda vez, a pedido da própria PGR, que queria que os depoimentos fossem colhidos na presença de procuradores da República. Ao pedir a revogação das prisões, a PGR afirma que o objetivo das prisões, de instruir as investigações em curso, já foi cumprido.

As prisões temporárias dos alvos da operação terminariam na próxima segunda-feira (2). A decisão para soltar os presos caberá ao ministro Barroso, relator do inquérito que investiga se Temer beneficiou com um decreto empresas do setor portuário em troca de propina. O presidente nega qualquer irregularidade no decreto.

Abaixo, a lista de detidos na Operação Skala:

José Yunes, advogado, ex-assessor do presidente Michel Temer
Antônio Celso Grecco, empresário, dono da empresa Rodrimar
João Batista Lima, ex-coronel da Polícia Militar de São Paulo
Wagner Rossi, ex-deputado, ex-ministro e ex-presidente da estatal Codesp
Milton Ortolan, auxiliar de Wagner Rossi
Celina Torrealba, uma das donas do Grupo Libra
Eduardo Luiz de Brito Neves, proprietário da MHA Engenharia
Maria Eloisa Adensohn Brito Neves, sócia nas empresas MHA Engenharia e Argeplan
Carlos Alberto Costa, sócio fundador da Argeplan e ex-sócio da AF Consult Brasil
Carlos Alberto Costa Filho, sócio da AF Consult Brasil

O inquérito que investiga o presidente Michel Temer já foi prorrogado diversas vezes a pedido da Polícia Federal ao longo do último ano, com a concordância do relator do caso no STF, o ministro Roberto Barroso. O ministro  chegou a determinar a quebra do sigilo bancário do presidente, algo inédito na história da República para um chefe do executivo em exercício. Até o momento, nenhuma prova contra Temer foi encontrada, após mais de um ano de investigação. Excetuando o Coronel Lima, maioria dos detidos já havia sido ouvida pela PF em outras oportunidades. Foram ouvidos fatos relacionados a eventos ocorridos em 2011 e já exaustivamente investigados.

A expectativa de que uma terceira denúncia contra o presidente fosse apresentada nos próximos dias agora é remota, tendo em vista o pedido da própria PGR pela revogação das prisões dos investigados. O  inquérito deve ser encerrado já nos próximos 30 dias, sem nenhuma novidade.

A Presidência da República divulgou nota oficial na noite na sexta-feira (30) para rebater a acusação de que o presidente Michel Temer teria agido para beneficiar amigos empresários na edição do Decreto dos Portos, no ano passado, em investigação conduzida pela Procuradoria Geral da República (PGR).

“Tal decreto nasceu após criação de grupo de trabalho pelo Ministério dos Transportes que realizou amplo e público debate, em reuniões que ocorreram entre setembro de 2016 e maio de 2017”, diz a nota. Segundo o governo federal, “autoridades tentam criar narrativas que gerem novas acusações” e o decreto editado em 2017 não se aplica à empresa Rodrimar S/A, acusada de ter sido beneficiada nas regras de licitação aprovadas para o setor de portos.

“O fato é que a Rodrimar não se encaixa neste parágrafo, neste artigo, no todo do decreto ou na sua interpretação, por mais ampla que se queira, conforme despacho do Ministério dos Transportes: ‘Conclui-se que as disposições do decreto número 9048/17 não se aplicam aos contratos da empresa Rodrimar S/A’. (…) Todas as áreas da Rodrimar serão relicitadas”, diz a nota.

Sem apontar nomes, o Palácio do Planalto afirmou que “tentam mais uma vez destruir a reputação do presidente Michel Temer. Usam métodos totalitários, com cerceamento dos direitos mais básicos para obter, forçadamente, testemunhos que possam ser usados em peças de acusação”.

Ainda de acordo com a nota oficial da Presidência da República, a investigação em curso atropela fatos e a verdade para retirar Michel Temer da vida pública e “impedi-lo de continuar a prestar relevantes serviços ao país”. “Bastou a simples menção a possível candidatura para que forças obscuras surgissem para tecer novas tramas sobre velhos enredos maledicentes. No Brasil do século XXI, alguns querem impedir candidatura. Busca-se impedir ao povo a livre escolha”, acrescenta o governo.

O presidente Michel Temer é a maior autoridade em direito constitucional do país, lido por cerca de 500 mil leitores, entre juristas e estudante de Direito. Seus livros são obrigatórios nos cursos universitários. Como advogado, o presidente tinha renda vinte vezes superior à atual. Ao longo de mais de 50 anos de vida pública, Temer sequer chegou a ser denunciado como suspeito de alguma irregularidade, exceto na denúncia formulada pelo ex-PGR, Rodrigo Janot, forjada com ajuda de seus auxiliares e os criminosos da JBS.

Ao longo do último ano, Temer tentou acabar com privilégios vergonhosos de membros do Judiciário e do Ministério Público Federal, como o famigerado auxílio-moradia. Temer tentou ainda acabar com os privilégios na Previdência, propondo acabar com benefícios indecorosos de quase R$ 30 mil para funcionários públicos, enquanto o máximo recebido pelo trabalhador da iniciativa privada é de R$ 5.300,00. Temer propôs um regime único, no qual todos os brasileiros passariam a receber R$ 5.300,00. Por ter sido o primeiro presidente a combater privilégios de gente poderosa, inclusive na Polícia Federal, MPF e Judiciário, Temer se tornou alvo de constantes ataques, desde o dia 17 de abril de 2017, quando a Rede Globo divulgou uma transcrição falsa da gravação feita por Joesley Batista. Apesar das dificuldades e dos ataques constantes que atrapalharam a retomada da economia e a geração de empregos, Temer tem conseguido bater recordes sucessivos na queda da inflação e juros, sem aumentar ou criar novos impostos. A população que ganha até dois salários mínimos tem sido a mais beneficiada.

A falta de provas contra o presidente deixa frustrada a maior parte da população, altamente influenciada pelos meios de comunicação, jornalistas de aluguel a serviço do mercado financeiro, artistas de esquerda órfãos da Lei Rouanet, empresários que perderam a boquinha no BNDES, deputados do baixo clero que votaram com o PT, sindicalistas, funcionários públicos, beneficiários de auxílio-moradia, ministros do STF saudosos de Dilma e toda sorte de privilegiados que ficaram chupando o dedo, desde que Temer assumiu e acabou com o reinado de quase uma década e meia da esquerda no país. O presidente, considerado por especialistas como o melhor chefe do executivo em 30 anos, deixou muita gente revoltada. Inclusive muitos inocentes manipulados pela massa de descontentes. Num país confuso, dominado por políticos populistas que exploram as emoções de eleitores facilmente empolgáveis, e alvo de interesses poderosos, poucos cidadãos conseguem ler nas entrelinhas o que de fato ocorre nos bastidores entre aqueles que se engalfinham para voltar ao poder. Mesmo que seja por meio dos lobos em pele de cordeiro.

Imprensaviva

DEM do Maranhão e seus negócios políticos

É um escândalo, sob qualquer aspecto, a relação criada pelo governador Flávio Dino (PCdoB) com os dirigentes do partido Democratas no Maranhão. De uma hora para outra, empresas vinculadas à família do deputado federal Juscelino Filho e de sua mulher passaram a receber contratos milionários na Secretaria de Saúde, tanto no governo Dino quanto na Prefeitura de São Luís, do seu aliado Edivaldo Júnior (PDT).

O que pode caracterizar crime de compra de apoio político é o fato de que esses contratos começaram a prosperar no governo Dino exatamente depois que o DEM passou a compor sua base de apoio político e eleitoral.

São pelo menos duas empresas – a DIO Diagnóstico e Oftalmologia LTDA. E a CADI-Centro Avançado de Diagnóstico por Imagem – que já receberam milhões do governo Flávio Dino só agora em 2018, notadamente no período em que o debate sobre o destino do DEM estava intenso entre Juscelino Filho e seu colega, o ex-governador José Reinaldo Tavares.

Além do governo, essas empresas têm contratos com as prefeituras de São Luís, Raposa, Santa Inês, Vitorino Freire , Balsas, Pinheiro e várias outras prefeituras, administradas por aliados diretos de Flávio Dino ou familiares de Juscelino.

Os negócios de Dino com o DEM começaram a ser investigados pela oposição; e devem se transformar em representações que desembarcarão na Justiça Eleitoral, na Polícia Federal e no Ministério Público Federal.

O Estado do Maranhão/Estado Maior

Confirmado, Zé Reinaldo concorrerá ao senado pelo PSDB

Com o respeito e a cordialidade que sempre mantive com a imprensa maranhense e por entender que o compromisso fundamental dos comunicadores profissionais é com a responsabilidade na divulgação da verdade dos fatos, acima de especulações, faço os esclarecimentos que seguem.

Tenho uma antiga e sólida ligação com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Fomos colegas na Câmara dos Deputados, fomos vice-governadores e, em seguida, governadores de nossos estados, na mesma época. Possuo muito respeito pelo homem e pelo político Alckmin. Conservo também uma amizade muito antiga e forte com o coordenador da campanha do governador Alckmin à Presidência, senador Tasso Jereissati, pois vivemos juntos grandes episódios da história política brasileira e isso permitiu que, por diversas vezes, conversássemos sobre o Maranhão.

Na última terça-feira (20), encontrei com o governador Alckmin, na posse da deputada Tereza Cristina, minha amiga do PSB, agora no DEM, na Frente Parlamentar em Defesa da Agricultura. Ele me viu e veio falar comigo sobre o Maranhão e eu disse que estou sempre pronto a ajudá-lo. Na terça feira à noite, recebi uma ligação do governador me convidando para ir a São Paulo conversarmos, convite que eu prontamente atendi na quarta-feira passada (21).

Tivemos um longo e produtivo diálogo. Ao final, o governador informou que iria ouvir o senador Roberto Rocha, presidente do partido no Maranhão sobre o que discutimos. Ontem (30), sexta-feira, logo cedo pela manhã, ele me ligou para dizer que tinha conversado com Roberto Rocha que, por sua vez, teceu elogios à minha pessoa, o qual agradeço agora, publicamente. Roberto afirmou que não havia impedimento da parte dele para que esse entendimento pudesse se concretizar.

Com essa compreensão, esclareço o que ficou decidido: o governador Alckmin terá, como em São Paulo, dois palanques no Maranhão, um, do seu partido, o PSDB, que terá como candidato a governador Roberto Rocha e o palanque de Eduardo Braide, futuro candidato ao Governo do Maranhão, também com o apoio de Alckmin.

Eu, portanto, me filiarei ao PSDB, serei candidato ao Senado e apoiarei Alckmin nos dois palanques. Além do apoio que recebi do governador paulista, discutimos muito a sua campanha no Estado e fiz um acordo com ele. Se eleito presidente do Brasil, Geraldo Alckmin apoiará os projetos estruturantes do Maranhão, bem como viabilizará o programa proposto pelo Nobel de Economia, James Heckman, a ser transformado em projeto social por mim e outros, com objetivo de diminuir a desigualdade e a pobreza, preparando melhor as novas gerações de maranhenses.

Consegui ainda o compromisso de Alckmin com a nossa refinaria e com o polo petroquímico, que trará milhares de empregos e empresas para o Maranhão. Firmamos compromisso também com o Centro Espacial Brasileiro de Alcântara, com o Programa Espacial Brasileiro, com o apoio à vinda de um parque industrial da indústria espacial e com o Fundo de Desenvolvimento das Comunidades Quilombolas de Alcântara, que estou propondo.

O governador prometeu uma Cooperativa de Microcrédito para homens e mulheres pobres poderem ter acesso a dinheiro barato e, assim, abrirem seus pequenos negócios, além de apoio técnico de São Paulo para qualificar professores, capacitar trabalhadores maranhenses para o trabalho, apoio firme para o nosso Sistema de Saúde e da nossa Segurança.

Desta forma, meus amigos, entraremos firmes na campanha, não apenas a eleitoral, mas na mais importante de todas, a de combater as causas ainda intocadas da pobreza em nosso Estado – a minha maior aspiração como homem público. Vamos juntos colocar o Maranhão em novo patamar de desenvolvimento.

Com minhas cordiais saudações,
José Reinaldo Tavares
Deputado Federal

Prefeitura de Matões do Norte entrega o tradicional peixe da Semana Santa

A prefeitura municipal de Matões do Norte entregou na manhã desta quinta – feira (29), o tradicional peixe da semana santa, contemplando assim, a ceia da semana santa de centenas de famílias da sede e zona rural.

O ato de entrega foi realizado em frente à sede da prefeitura, e contou com a participação do prefeito municipal, Padre Domingos Costa, do presidente da Câmara, Joaquim da Agricultura, secretários, assessores, vereadores e lideranças comunitárias.

“Peixe em Minha Mesa” é assim a denominação do programa criado pelo prefeito Padre Domingos para este período pascoal.

Foram distribuídos cerca de 4 toneladas do pescado.  “Trata-se de um ato de partilha, esperado pelo nosso povo e que fiz desde o primeiro ano da nossa administração e será cumprido todos anos”, destacou o prefeito Padre Domingos Costa.

Com informação da ASCOM da Prefeitura

O que Dino disse…

A expressão acima tem reticências porque precisa ser completada com outra: “…e não fez”. E basta fazer um balanço dos últimos quatro anos para se perceber que o exercício falastrão do governador comunista não foi além do que realmente era em 2014: falácia.

E quem melhor definiu essa característica foi o ex-secretário de Planejamento do Maranhão, Fábio Gondim, em suas redes sociais, numa resposta ao também ex-secretário Joaquim Haickel, que queria reforçar a memória com mais uma das promessas do comunista, a de que seus auxiliares não seriam candidatos.

 “Disse isso, disse que não usaria aviões e helicópteros, disse que reduziria a despesa em propaganda…”, frisou Gondim, para complementar: “Não tem muito compromisso com a verdade”.

E essa falta de compromisso do atual ocupante do Palácio dos Leões com a verdade dos fatos, a verdade histórica e a administrativa viraram uma característica intrínseca do seu governo, que entra agora na fase final.

Diante de tantas promessas não cumpridas, frases que se perderam no ar e verdades que não se concretizaram, Dino é hoje, quatro anos depois de chegar como a mudança do Maranhão, aquilo que Joaquim Haickel definiu a Gondim: “Um mero contador de lorotas”.

 

O Estado do Maranhão/Estado Maior

Hildo Rocha viabiliza construção de Centro de Convivência de Estreito

A Ordem de Serviço para a construção do Centro de Convivência de Estreito foi assinada pelo prefeito Cicin, no último final de semana. Os recursos foram viabilizados por meio de emenda parlamentar impositiva do deputado federal Hildo Rocha. “Esse é mais um presente que o nosso município ganha. É mais uma conquista alcançada graças ao apoio do deputado Hildo Rocha”, destacou Cicin.

O prefeito lembrou que além de viabilizar os recursos para a construção do Centro de Convivência, o deputado Hildo Rocha conseguiu, durante os três últimos anos, dois veículos para o Programa de Saúde da Família; equipamentos hospitalares; escavadeira hidráulica; patrulha agrícola; recursos para as obras de urbanização da orla do Rio Tocantins; três sistemas simplificados de abastecimento de água; recursos para a pavimentação do Bairro Cibrazem e a pavimentação do acesso à Praia da Cigana e este mês destinou emenda impositiva individual, no valor de R$ 500 mil que serão investidos na construção de duas quadras poliesportivas.

“Eu não poderia deixar de falar do que você tem feito pela nossa cidade, pelo nosso povo, deputado. Nós temos que agradecer os feitos, as realizações. Nós temos buscado, desde a nossa primeira gestão, fazer diferente. Nós temos nos dedicado, nós não estamos brincando. Não estamos aqui para fazer politicagem, estamos aqui é para administrar, para fazer boa gestão com o dinheiro público. Muito obrigado, deputado Hildo Rocha. Que deus abençoe a todos nós e vamos continuar juntos, buscando dias melhores para o nosso município”, afiançou o prefeito Cicero Neco.

A vereadora Mariana Eriberto, representando o poder legislativo local, também destacou o trabalho do deputado Hildo Rocha em prol do município de Estreito. “O Centro de Convivência vai oferecer atividades nas áreas da saúde; assistência social; e educação, entre outras. Assim, a população de estreito vai ter um ambiente comum para participar de várias atividades. Tenho certeza que a sua ajuda, deputado Hildo Rocha, irá crescer. Então sinta-se à vontade, sinta-se acolhido e muito obrigado pela sua parceria”, declarou Mariana.

Projetos aprovados

Hildo Rocha lembrou que tem alcançado êxito na aprovação de propostas de leis, que ele apresentou ao parlamento brasileiro, e conseguiu liberar recursos orçamentários da União para o Governo Estadual e diversos municípios maranhenses. “Tenho trabalhado pelos maranhenses que me fizeram seu representante na Câmara Federal. Dessa forma ajudo os meus conterrâneos contribuindo para melhorar as políticas públicas no nosso estado”, declarou Hildo Rocha.

Em show histórico, Geraldo Vandré expulsa esquerdistas com faixa de protesto (Vídeo)

Foto: Portal Correio da Paraíba

Embora o autor da música “Pra não dizer que não falei das flores” tenha sido adotado pela esquerda brasileira como grande ídolo, o cantor e compositor paraibano Geraldo Vandré nunca foi um defensor das ideologias de esquerda.

Mas como os militantes e ativistas de esquerda são pessoas relativamente pouco informadas, um grupo de ativistas resolveu cair na bobagem de levar uma faixa de protesto contra a morte da vereadora Marielle Franco para um show histórico do cantor.

Afastado há mais de 50 anos dos palcos, Geraldo Vandré fez um show histórico no Espaço Cultural José Lins do Rêgo, em João Pessoa – sua terra natal, neste fim de semana. Durante a interpretação de “Pra não dizer que não falei de flores”, música épica adotada pela esquerda brasileira como um hino contra Ditadura, Geraldo Vandré interrompeu a canção, um grupo de manifestantes desenrolou a faixa em protesto contra a morte de Marielle diante da plateia. Quando viu do que se tratava, o cantor parou de cantar, pegou uma ponta da faixa e, visivelmente aborrecido, guiou os manifestantes até a lateral do palco, indicando a saída do Teatro. Logo em seguida, foi aplaudido de pé pelo público presente.

Outro momento embaraçoso para os ativistas de esquerda foi quando iniciaram um coro “Fora Temer”. Novamente, Geraldo Vandré reprovou o comportamento de pequena parte do público e se retirou do palco com pianista paulista Beatriz Malnic. Os dois interromperam a atuação da Orquestra Sinfônica da Paraíba, acenaram para a plateia e foram para o camarim.

O ex-comunista Geraldo Vandré sempre fez questão de afirmar que nunca fez música de protesto e também não esconde sua contrariedade com o fato de intelectuais de esquerda e da mídia terem se apropriado de sua canção como hino.

Funcionário público, Vandré é um apaixonado por aviação desde criança. Admirador das forças armadas até os dias de hoje, o cantor só se hospeda em hotéis militares. Seu retorno aos palcos foi marcado por mais um grande mico dos ativistas de esquerda que se gabam tanto de conhecer história, mas ignoram completamente os transtornos que o cantor sofreu no passado, quando os mesmos grupos se apropriaram de sua canção. Este equívoco custou à nação a retirada da vida artística de um de seus maiores compositores durante longos 50 anos.

ImprensaViva

“Nenhum deputado federal fez por S. J. de Ribamar o que Hildo Rocha está fazendo” Afirma Luís Fernando

“Até hoje, nenhum deputado federal, apoiado em São José de Ribamar, fez o que Hildo Está fazendo”. A declaração é do prefeito de São José de Ribamar, Luís Fernando, em pronunciamento durante entrega  de equipamentos agrícolas que serão utilizados por produtores de farinha de mandioca do Polo Agrícola da Mata.

Luís Fernando destacou que os equipamentos foram adquiridos pelo governo do estado do Maranhão com recursos do governo federal conseguidos pelo deputado Hildo Rocha. “O governador Flávio Dino recebeu do governo federal recursos para comprar esses equipamentos agrícolas. Hildo Rocha foi quem conseguiu os recursos para comprar esses equipamentos. Com essa ação, o deputado Hildo Rocha, autor da proposição, traz ao polo agrícola da Mata um equipamento que os produtores rurais de São José de Ribamar não conheciam. Agora eles vão ter mais produção, mais produtividade, mais renda. Como não agradecer o que o deputado federal Hildo Rocha está fazendo por São José de Ribamar?”, enfatizou o prefeito.

Recuperação de estradas

Luís Fernando destacou ainda que os recursos para a recuperação da estrada que liga os povoados Bom Jardim a Juçatuba, foram conseguidos pelo deputado Hildo Rocha. “Portanto, minha gente, a buraqueira da estrada dos agricultores está com os dias contados, graças ao deputado Hildo Rocha. Palmas para ele”.

Incentivo ao turismo

O prefeito disse que poucos minutos antes do início da entrega dos equipamentos recebeu a confirmação de que o Ministério do Turismo vai liberar R$ 1 milhão para o município, fruto de emenda do deputado Hildo Rocha. Luís Fernando disse que os recursos serão aplicados na continuidade das obras de duplicação do acesso ao Polo Turístico de Panaquatira.

“É muito bom quando a gente pode agradecer a Deus, não apenas pela dádiva, mas por um sentimento. Eu agradeço a Deus por ter este amigo aqui”, enfatizou Luís Fernando, referindo-se ao deputado federal Hildo Rocha.

“Parte dos ribamarenses me fizeram seu representante em Brasília. Por isso, tenho trabalhado para trazer benefícios para a cidade. Conseguimos aumentar os recursos federais  da saúde, ainda na gestão do ex-prefeito Gil e agora, com Luís Fernando, temos conseguido recursos para recuperar parte da vias públicas, além de outros benefícios como esses para os produtores rurais “, declarou Hildo Rocha.

O evento foi prestigiado pelo deputado estadual e secretário de Desenvolvimento Social, Neto Evangelista, por secretários municipais, vereadores e lideranças de várias comunidades ribamarenses.

Flávio Dino vai perder…

O deputado federal Zé Reinaldo voltou a se manifestar sobre o rompimento político com o governador Flávio Dino (PCdoB). A saída do ex-governador da base aliada ao Palácio dos Leões completou um mês no fim de semana.

E se ainda havia comunistas com esperanças de uma reaproximação, elas acabaram de se dissipar. Em entrevista a um programa de TV em Imperatriz, ele riu quando perguntado se “criou uma cobra para lhe morder” e avaliou a gestão do, agora, ex-aliado comunista.

“A nota dele é muito ruim”, disse o parlamentar, referindo-se ao conceito que tem da administração de Flávio Dino.

Sobre o futuro das eleições, Zé Reinaldo foi taxativo: “Eu acho que ele [Flávio Dino] vai perder”, declarou.

A entrevista vai ao ar nesta segunda-feira e, é claro, já começou a ser alvo da patrulha ligada a Dino.

 

O Estado/Coluna Estado Maior